21 de dezembro de 2011

Querer muito...


...ver neve ao vivo, uma vez na vidinha.
Parece que ainda não é desta.

(olá Inverno! podia jurar que já tinhas chegado.)

13 de dezembro de 2011

Gostar de bolinhas.


Pró menino e prá menina.

12 de dezembro de 2011

Contam-se pelos dedos de uma mão...



... mas eu sei que são para a vida e que vão estar sempre lá.
Venha o que vier.

11 de dezembro de 2011

Espírito Natalício é...

  ...passear e encontrar Árvores de Natal nas folhas espalhadas pelo chão.

Chá preto, chocolate, caramelo, hibisco e rosas.
...terminar os dias enrolada no sofá, a beber "Chá de Natal".
Pirooooosa! :)

9 de dezembro de 2011

O Natal quase, quase aí.




 


"Inês"


Com muita pena minha, percebo que a fábrica de porcelanas Bonvida está em vias de deixar de existir e que a linha "Inês" já está há vários meses descontinuada (há decisões que eu não consigo entender, mas eu não percebo nada destas coisas - e, ao que parece, a administração da empresa também não). Ora, juntando 1 + 1, posso facilmente concluir que em minha casa nunca irá morar um lindo serviço destes. Cheguei a encontrar as peças a avulso num supermercado perto de casa da minha mãe, mas na altura não as podia comprar e agora... duvido que ainda exista um pratinho para contar a história. Tenho mesmo muita pena. Pelo menos, o chá que servimos aos amigos cá em casa, tem outro encanto.

8 de dezembro de 2011

Bolo de maçã e canela ♥


Há combinações que deviam ter direitos de autor, de tão perfeitas que são. Para mim, maçã e canela é uma delas (mas isso já não é novidade). Desta vez, a ideia era fazer um bolo de maçã com este aspecto maravilhoso. Segui a receita passo a passo e a única coisa que fiz diferente foi trocar uma das duas chávenas de açúcar branco por açúcar mascavado. Não sei porquê, os pedacinhos de maçã afundaram-se e não houve cá maçãs caramelizadas para ninguém :( Ainda assim, o bolo ficou mesmo saboroso e os amigos que provaram, gostaram. Fica a sugestão!

7 de dezembro de 2011

Querido Pai Natal...

...eu sei que há pessoas que ficam indignadas por receber presentes para a casa nos anos ou no Natal, mas eu ainda sou à moda antiga. Ainda há tanta coisa que nos falta para nesta nossa casinha que toda a ajuda é bem-vinda. Por isso, e porque eu estou um bocadinho farta dos 4 tachinhos que compõem o nosso "trem de cozinha", este ano eu quero um em condições. Pode ser o Oceanus Satin Glass, da Silampos. Se é para pedir, é para pedir, certo?
É que eu tenho a certeza que ia ficar um mimo na minha cozinha.

6 de dezembro de 2011

Um dia...



...podia ser assim.
De preferência, saído das mãos talentosas da minha mãe.

30 de novembro de 2011

Gosto tanto do Ikea...

 

...que às vezes me apetece dar-lhe beijinhos.

Não há uma única vez que eu não me passeie pelo site sem ficar deliciada. Desta vez foi com estes guardanapos dobrados em forma de pequenos pássaros em origami. Clicar aqui para ver o tutorial.


Para sempre não é um ideal tão bonito?

28 de novembro de 2011

Quando pensamos que já vimos de tudo...

Ontem, no supermercado, enquanto procurava daqueles lenços com cheirinho a lavanda (deu-me saudades!) dei com estes lenços da Renova. Podem não acreditar, mas eu fiquei a olhar para o pacote uns segundos, enquanto o meu cérebro tentava assimilar o que lia. Sabem aquela sensação de estar a ver alguém ou a ler alguma coisa fora do contexto habitual? Pois. É que, ao contrário do que mostra esta fotografia, o pacote que eu tinha na mão dizia "enriquecidos com vitamina C e E". Vale a pena ler a publicidade da Renova, aqui.
Pior do que pensar que possam existir por aí pessoas que acreditem que uns lenços vitaminados podem ter qualquer efeito na prevenção seja do que for, é tentar imaginar que raio terá passado pela cabeça das almas que se lembraram de inventar isto!... Já não há noção do ridículo? Ou o problema sou mesmo eu?

27 de novembro de 2011

Domingos

Uma das coisas que mais valorizo numa casa é a luz. Em Samora, às vezes passava grandes bocados a ver a luz inundar as divisões. Desde o meio da tarde, até ao final do dia, toda a casa ficava com uma luz maravilhosa. Nesta casa, a luz que bate na sala a partir da hora de almoço, compensa sem sombra de dúvidas a metade da casa que nunca apanha sol directo, devido à orientação do prédio e aos edifícios que o rodeiam. E eu não sei se já tinha dito, mas a nossa sala é um dos melhores sítios do mundo para se estar, nestas tardes de Domingo frias mas cheias de Sol.



Tenho andado ausente, bem sei, mas não por falta de lembrança. Nos últimos tempos têm passado pela minha cabeça muitos posts, embora nunca cheguem a ser escritos. Acontece que nos momentos em que não estou a trabalhar em Lisboa, ou nos transportes, ou a cuidar da Matilde, ou a preparar aulas, ou a limpar a casa, ou a passar a ferro, ou a cozinhar... só quero sentar-me no sofá (de preferência agarradinha, o que também tem sido difícil) e tentar não pensar que no dia seguinte tudo recomeça. Por isso é que eu digo: tardes como a de hoje em que, enquanto a Matilde dormia, eu pude saborear esta luz que me inundava a sala e dormir uma boa sesta, não deveriam acabar nunca.

11 de novembro de 2011

Nham.


Assadas, cozidas só com sal ou com erva-doce. Sempre quentes, sempre boas :)
Bom S. Martinho!

10 de novembro de 2011

Era uma vez uma surpresa...




Estas imagens vieram daqui e ilustram na perfeição a surpresa que o Bruno tinha programada para me fazer, ontem. Já disse aqui que o trabalho do meu namorado é muito, muito chato. Aqui há tempos, vejam só, teve que ir andar de balão, coitadinho. Este ano decidiu aproveitar alguns dos contactos com que ficou nessa altura e íamos ao 15º Festival Internacional de Balonismo (em Alter-do-Chão, no Alentejo), a bordo de um dos balões concorrentes.
Fomos de véspera, passámos lá a noite e levantámo-nos às 6h15 da manhã, na esperança de podermos "voar" mas a chuva foi tanta que não houve balões para ninguém. Não dá para explicar como fiquei feliz quando percebi de que surpresa se tratava e como, depois, fiquei tão triste. Conta a intenção, é certo, e o suspense ao longo das duas semanas que precederam esta escapadinha, mas o que eu queria mesma era ter andado lá no alto. Para o ano, talvez. Resta-me continuar a sonhar... snif.

8 de novembro de 2011

Coração mole.

Vejo estas coisas bonitas e fico logo toda derretida... gostava tanto de saber tricotar! Lá vou eu ter que pedinchar à minha mãe uns gorros amorosos para a Matilde. Afinal, o frio veio para ficar e a criança tem que andar protegida, não é verdade?

Já agora, que venha um bebézinho destes anexado ao gorro, que eu já tenho saudades! ;)

6 de novembro de 2011

Relicário.


Segundo o que o Bruno me disse depois, foi preciso procurar em 23 ourivesarias (mais as que a minha sogra viu por ele) para encontrar um relicário (não sabia que era assim que se chamava). Na manhã do dia dos meus anos, logo depois de acordar, entregou-mo numa caixinha mimosa, já com duas fotografias dentro. Uma coisa simples que, ao que parece, deixou de ter procura (as minhas amigas bem dizem que eu tenho gostos antigos) mas que eu já andava a desejar há muito tempo e me deixou imensamente feliz :) ♥ 

4 de novembro de 2011

Pirosa linda.


Eu sei que sou suspeita para falar, mas o raio da miúda é mesmo gira, pá! :)

2 de novembro de 2011

Tardes de chuva.

Conheci este bolo através da Ana Rute, já lá vai algum tempo. Não tardei muito a experimentar e desde a primeira vez que o fiz (para o aniversário do meu sogro - há um ano, portanto) que foi um êxito. Confesso que ia cheia de medo, porque tinha provado a massa crua e odiei. Continuo a odiar, por isso aconselho desde já os que gostam "lamber a taça" para não se entusiasmarem muito. Depois do sucesso dessa primeira vez (ao quadrado, visto ser uma casa de sportinguistas ferrenhos!) já o fiz várias vezes em aniversários, lanches e nas "festas" de despedida dos cursos de Alimentação e Nutrição que dei como formadora. É sempre muito giro ver toda a gente a tentar adivinhar que ingrediente esconde esta massa verde :)
Hoje foi dia de matar saudades. A receita é a de sempre, mas em vez de usar 150ml de óleo, uso sempre 100ml de azeite. Estranhamente, desta vez ficou um bocadinho cru em cima (para consolo do Bruno), mas ficou igualmente bom.



Bolo de agrião, chá e chuva lá fora. Há momentos perfeitos.

Vinte e Seis (tantos!)

No passado dia 27 de Outubro aqui a je fez aninhos. Pois é, ninguém merece levantar-se às 6h15 da manhã no dia de anos mas, coitadinha de mim, teve que ser. O dia foi calmo, valha-nos isso, senão teria chegado a casa sem forças para, sequer, soprar (faço-vos as vontadinhas todas!) as velas. É mais um ano que passo longe do Porto, longe dos que me viram crescer e dos que viveram comigo toda a minha vida mas, ano após ano, vou percebendo que, de facto, esta é a minha casa, o meu lar... e a minha família. Nós os três. O coração fica apertadinho mas olho à volta e vejo os esforços dos que gostam de mim para que este dia seja especial, apesar dos que estão ausentes.
A minha sogra tratou do jantar e do bolo de aniversário e alguns dos amigos e familiares apareceram depois para cantar os Parabéns. Para risota geral, o pasteleiro enganou-se e, sem querer, o bolo teve um cheirinho do Norte :)


Soube depois que era suposto a minha mãe ter chegado a tempo dos Parabéns, mas que não teve comboio... Muitos mimos, muitas mensagens de carinho e muitos presentinhos fizeram deste, um dia especial. Eu cá não entendo como há gente que não gosta de fazer anos! :)

1 de novembro de 2011

♥ planificadores IKEA

(clicar para aumentar)
Enquanto ela não vem, nós vamos brincando. Já decidimos que combinação vamos fazer e fica exactamente da largura que precisamos. Só gostava que o preço fosse este :) No final de Agosto trouxe TODOS os meus livros do Porto e já estou a desesperar de os ver ali todos em sacos do Pingo Doce a estorvar... É frustrante estar sempre a pensar na quantidade de coisas que ainda queremos comprar para a casa e todos os meses constatar que o dinheiro não estica. Inspira, expira... já faltou mais!

25 de outubro de 2011

Kid to Kid



Há umas semanas, enquanto passeava na minha hora de almoço, descobri em Telheiras uma das lojas Kid to Kid. Lá, podem encontrar-se artigos para criança (0 aos 12 anos), desde vestuário a camas, brinquedos e carrinhos. Enquanto passeava pela loja, fiquei surpreendida com a quantidade de coisas em bom estado ou completamente novas que se encontravam à venda a preços mais que atractivos. A selecção das peças é muito criteriosa e apenas os produtos "como novos" são aceites. Acabei por trazer algumas peças para a Matilde para a próxima estação: um casaquinho de malha amoroso, um vestido de bombazine às florzinhas e uma camisola, ainda com a etiqueta original. Não chegou a 15€. Parece-me uma ideia brilhante e tenho pena que este tipo de iniciativas só começem a surgir agora, em tempos de crise. Da mesma forma que levar o almoço para o trabalho agora se tornou moda (que remédio! mas eu, há uns 8 anos, no meu 1º emprego, cheguei a ser "gozada" por trabalhar num shopping e levar o almoço de casa), dá a impressão que de repente as pessoas finalmente perceberam que o melhor mesmo é colocar de lado as manias e as aparências e assumir que podemos viver com muito menos. Que somos o que somos e não o que temos. Que podemos usar e partilhar, sem complexos, em vez que mandar fora ou inutilizar coisas que muita gente gostaria de ter. Enfim. Gostei e partilho convosco, quer estejam interessadas em comprar ou mesmo interessadas em vender as roupas que os vossos mais pequenos já não usam.

Existem várias lojas espalhadas pelo país e o site é este: http://www.kidtokid.pt

Danup Cappuccino


Primeiro estranha-se, depois entranha-se. Comprei para experimentar, porque estavam com 50% de desconto. O Bruno não gostou e acredito que não sejam para todos os gostos mas eu fiquei fã desta edição limitada. Só é pena tratar-se de uma bombinha de açúcar... valha-nos o facto de trazerem menos quantidade que o habitual!

19 de outubro de 2011

Temperos.

Gosto das saladas temperadas com azeite, oregãos, um nadinha de sal e, sobretudo, vinagre com fartura. ADORO vinagre, sou completamente fã. Mas tornava-se complicado levar salada para o trabalho, porque se fosse temperada de casa estaria "cozida" pela hora do almoço e, como trabalho todos os dias num sítio diferente, não dá para ter azeite e vinagre em todos. Hoje lembrei-me que tinha guardada esta garrafinha de 20ml e fez-se luz. Enchi metade azeite e metade vinagre (aqui parece mais azeite porque a garrafinha tinha acabado de cair ao chão e ficou tudo meio misturado) e ficou o problema resolvido. Já posso levar saladinhas à vontade e temperá-las na hora :)

 

Arranjei a garrafinha através desta "campanha" feita pela marca, que consistia em enviar uma carta querida a alguém (podia ser uma carta de amor, amizade...) com um convite para jantar. Essa pessoa recebia também a garrafinha de azeite, para levar no dia combinado (eu convidei o Bruno, lol). Ia indicar-vos o site para fazerem o mesmo, mas já está indisponível... De qualquer forma, lembro-me de, há muuuitos anos, ter comido uma salada no McDonald's e de vir uma garrafinha de azeite... não me recordo se era reutilizável ou não. Ainda é assim? Se for, quem estiver com o mesmo problema que eu, pode usar uma dessas :)

17 de outubro de 2011

Camisas.

Até as passo a ferro relativamente rápido (não me ponho cá com muitas esquisitices) mas odeio-as solenemente. E descobri que quanto mais depressa as passar, mais depressa ele as usa e mais depressa tenho que as lavar e passar novamente. Tudo isto para dizer que ultimamente me tenho esquecido delas no monte da roupa por tempo indeterminado (que é como quem diz: até me apetecer passá-las outra vez) e tem resultado! A quantidade de camisas para passar diminuiu substancialmente. As t-shirts não são TÃO mais práticas?

16 de outubro de 2011

Hoje...

...é o Dia Mundial da Alimentação!
Desejo-vos um dia cheio de comidinhas saudáveis :)

13 de outubro de 2011

Vai ser bonito.

É já no próximo mês que vou voltar a dar formação. Desta vez, para além de um módulo de Nutrição e Alimentação, foi-me atribuído um módulo intitulado "Promoção da Saúde". Dos conteúdos deste módulo fazem parte diversos temas, tais como doenças do comportamento alimentar, drogas, álcool, planeamento familiar, doenças sexualmente transmissíveis, etc. Agora pensem comigo: se os meus alunos (personagens entre os 16 e os 23 aninhos), na aula sobre aleitamento materno, desataram às bocas e aos segredinhos quando eu disse a palavra "mamada", como é que vai ser quando eu falar de homossexualidade ou, melhor ainda, quando chegar àquela parte gira em que ensino como é que se coloca correctamente o preservativo masculino?

Pois. Mal posso esperar.

(vá, confesso que até estou animadita por ter estas aulas para preparar, mas que vai ser assim um nadinha de nada constrangedor... lá isso vai!)

Olhá batatinha!

Ontem tive uma senhora na consulta que era fã de batatas fritas. Comia-as como acompanhamento pelo menos 3x por semana, em casa ou no restaurante. Na semana passada tive uma outra que me dizia que as batatas fritas eram sagradas ao Domingo. Nas consultas de Obesidade Infantil, era sagradinho: o prato preferido de 90% dos miúdos eram as batatas fritas com ovo estrelado. Depois do "sermão" habitual, quando vejo que a probabilidade de elas excluirem as batatinhas da alimentação é quase zero, acabo por sugerir uma alternativa: fazer as batatas no forno. Sugiro que comprem as batatas congeladas e que as deixem no forno por cerca de 15-20min, ligando o grill no final para ficarem mais douradinhas. Às vezes, em casa, quando dá aquela vontade, também fazemos assim e ficam deliciosas. Sequinhas e estaladiças... nham! Sei que algumas pessoas untam o tabuleiro com óleo, eu acho que é desnecessário. Espalho as batatas directamente no tabuleiro ou sobre uma folha de papel vegetal e já está. Continuam a ser batatas fritas e continua a ser um alimento a evitar, mas quando apetece mesmo ou quando os miúdos pedem muito, acaba por ser uma alternativa mais saudável.

As batatas congeladas são ligeiramente pré-fritas, ou seja, ficam com uma fina camada de gordura que permite que depois sejam cozinhadas no forno. No entanto, há relativamente pouco tempo, surgiram versões como esta e esta, de batatas congeladas para o forno. Eu desaconselho: são pré-fritas por muito mais tempo (nota-se que estão gordurosas e mais escuras), logo têm uma maior quantidade de gordura!

Fica a sugestão :)

12 de outubro de 2011

"Eu nunca na vida comerei tomate!"


Já foi há algum tempo que a Karla falou neste livro. Desde então, o título não me saiu da cabeça e como na semana passada encomendei um livro na wook, aproveitei os portes e mandei vir este também. Felizmente, a Matilde adora tomate e come todo o tipo de vegetais, mas como já é um clássico que os miúdos não gostem destes alimentos e já lidei com isso tanta vez no meu trabalho... não resisti :)

O livro conta a história da Lola, uma menina de 4 anos, e do Charlie, o seu irmão mais velho. A Lola diz: "Eu não como ervilhas, nem cenouras, nem batatas, nem cogumelos, nem esparguete, nem ovos, nem salsichas. Eu não como couve flor, nem repolho, nem feijões, nem bananas, nem laranjas. Eu, definitivamente nunca na vida comerei tomate!"

E o Charlie vai tentando dar-lhe a volta:

"A Lola não come cenouras, claro. Diz que as cenouras são para os coelhos.
- Eu nunca na vida comerei cenouras.
E eu digo:
- Oh, tu pensas que são cenouras! Mas não são cenouras. São gomas de laranja vindas de Júpiter.
- A mim parecem-me cenouras - diz a Lola.
- Mas como é que podem ser cenouras - digo eu, - se em Júpiter não há cenouras?
- Lá isso é verdade - diz Lola. - Bom, já que fizeram todo esse caminho desde Júpiter vou provar ao menos uma. Humm, nada má. - diz ela, servindo-se de mais."

Ou então, são as ervilhas que são rebuçados verdes da Verdelândia, que são feitos de clorofila, caem do céu e são extremamente raros:


Outros títulos ficam ainda na lista de espera, para um dia fazerem parte da colecção da Matilde. O primeiro é sobre o que é e porque temos umbigo (já estive com ele na mão numa feira do livro, há uns tempos, e fiquei encantada!) e o segundo é sobre como nascem e são feitos os bebés (tenho em versão power point). Aceitam-se mais sugestões!



11 de outubro de 2011

Desejos

Estas são algumas das coisinhas que moram na minha wishlist mental há já muito tempo. Este mês faço anos e, cá entre nós que ninguém nos ouve, pode ser que tenha um bocadinho de sorte e pelo menos uma delas se torne palpável :)



Um conjunto amoroso de Matrioskas... de preferência um daqueles que não acabam nunca! Eu sei que há sítios que as devem vender aos montes, mas eu ainda não encontrei à venda em lado nenhum...
Uma chaleira com apito. Tempo frio (e quente e assim assim) pede chá. E eu já estou a imaginar o barulho da chaleira a assobiar com água a ferver. Há uma muito gira e baratinha à venda no Modelo, mas nao é própria para placa vitrocerâmica :(

Gostava tanto, mas tanto de ter um assim! Um medalhão em forma de coração, que dê para colocar fotografias dentro...
Uns brincos de pérola, simples. Uso muitas vezes umas imitações, mas já estão tão velhinhas que gostava de ter umas verdadeiras. Mas, temos pena... soube há pouco tempo que duas perolazinhas pequeninas, de cultura, não custam menos que 500€!!! Humpf.