28 de fevereiro de 2011

Para quê...


...coçar as gengivas com o brinquedo de borracha, quando podemos ir à carteira da nossa mãe, abrir a caixinha dos tampões e usá-los para o mesmo efeito?...

E o berreiro que ela fez quando lho tirei da mão? Ai ui.

26 de fevereiro de 2011

Detalhes


Sou apaixonada por tulipas. Dos 7 bolbos que plantei, restam apenas 5 mas mesmo que só venha a nascer uma, eu já fico feliz. Estou ansiosa. Se um dia me casasse, gostava de levar um ramo de tulipas, à semelhança da minha mãe, no casamento dela. Até lá posso mudar de ideias, mas penso que não. Esta é linda e foi oferecida no restaurante onde fomos jantar no passado dia 14, ainda fechadinha e um pouco verde. O Lucky bamboo foi oferecido pelo namorado e as jarrinhas compradas nos chinocas. Tudo colocado a uma distância estratégica, fora do alcance da minúscula. Gosto tanto, que tive que guardar, para a posteridade :)

25 de fevereiro de 2011

Esperar


Há umas 2-3 semanas plantei jacintos e tulipas. Ontem semeei coentros, salsa, morangos (!), lavanda/alfazema (desta vez tenho a certeza!) e uma outra planta, com florzinhas vermelhas. Estou em pulgas para que tudo comece a florir e a dar sinais de vida, mas para já apenas os jacintos estão cheios de coragem para vir cá para fora. Crescem de dia para dia! Eram 3, mas um apodreceu, desconfio que por excesso de zelo, que é como quem diz... rega. Deixo aqui a fotografia dos que ficaram e continuam a crescer. Estou mesmo ansiosa que nasça a flor :)

(alguns bolbos das tulipas já têm qualquer coisita a sair, mas coisa pouca...)

Era para ser...




...para o telemóvel de uma amiga, mas desconfio que não cabe lá seja que telemóvel for, dado o seu reduzido tamanho. Tenho pena, porque gosto mesmo dela, mesmo assim minúscula. Mesmo tendo cortado um pouco acima dos cálculos que fiz, ficou demasiado estreita e, se não cabe o telemóvel imaginário que recortei, muito menos o real :) Podia dizer que foi tempo perdido, mas sei que não. Ganhei experiência, que, tenho aprendido, nestas andanças é muito importante. E tenho a certeza que a próxima que fizer, na medida certa, não vai ter os imensos defeitos que esta tem (costuras tortas e outros que só eu sei onde estão!). Hoje já não tenho tempo de a fazer para lho entregar este fim de semana (vamos todos ao Porto!) mas para a semana segue pelo correio.

20 de fevereiro de 2011

Dias feios dão nisto:







Há uma nova regra cá em casa (que deve durar só até amanhã, mais ou menos...): dias feios são dias de me sentar à máquina! Ontem foi o que fiz e o resultado foram mais alguns porta-lenços. Alguns já têm dona, mas ainda tenho materiais para fazer igual ou parecido. Já disse que se aceitam encomendas? :) No próximo dia feio é dia de fazer projectos novos, que estes eu já conheço de cor e salteado.

Mais porta-lenços, aqui.

17 de fevereiro de 2011

O tal postal.


Há coisas tão bonitas espalhadas pela internet que começo a ver com outros olhos o acto de comprar algo para oferecer. O que não faltam são ideias e muitas delas até têm tutoriais, que tornam o que parece ser complexo de fazer, em algo bem simples. Acho que quando oferecemos algo que é feito por nós, tem logo muito mais significado, nem que seja um simples postal. Não é só ir à loja, escolher e pagar. É preciso imaginar, planear e executar. Dedicar o nosso tempo e colocar o nosso carinho no que fazemos.
É por isso que, ultimamente, tenho feito este "esforço" de oferecer algo feito por mim. Nem sempre, nem a toda a gente, mas mais vezes. E o dia 14 de Fevereiro foi mais uma oportunidade. Comprei envelopes bonitos (os desenhos são dourados como a fita, embora não pareça) e uma cartolina a condizer. Inicialmente a ideia era fazer algo como isto, obviamente com um bordado bonito (o ponto de cruz subversivo parece ser uma tendência), mas depois vi este tutorial da Martha Stewart e como o tempo escasseava, mudei de ideias. Recortei uma cartolina que dobrei em três, de forma a que uma das partes ficasse a tapar o avesso do bordado. Usei um restinho de fita dourada que tinha guardado de um presente de Natal de há três anos (já dizia o ditado: "quem guarda sempre tem"!), fiz os buraquinhos com uma caneta (não tenho nenhum furador xpto) e bordei com ponto atrás. Acho que ficou simples, mas mimoso. E o mais importante: ele gostou.

TU.

16 de fevereiro de 2011

Medalhões de pescada


Tinha uma embalagem de medalhões de pescada e não sabia o que lhes havia de fazer, por isso toca de procurar receitas na net. Usei esta, com pequenas alterações, e ficou delicioso! Eu achei que o molho ficou muito líquido (os medalhões ainda estavam congelados e largaram muita água), mas toda a gente (tínhamos visitas) gostou muito.

4 medalhões de pescada temperados com sal, sumo de limão e um fio de azeite (para a próxima não ponho azeite), muita cenoura ralada, natas de soja e um bocadinho de leite, azeitonas verdes cortadas, cubos de fiambre e queijo mozzarela. Nham!

Preguicite


Sabem quando nos preparamos para ir para a cama, vestimos o pijaminha, enfiamo-nos debaixo dos lençóis, fechamos os olhos e... lembramo-nos que não lavamos os dentes? Odeio quando isso me acontece. Porque depois não sou capaz de continuar e dormir sem os lavar. Então toca a levantar e é uma chatice, mas valia não me ter lembrado, assim não havia sentimentos de culpa. Vai daí (sou muito má), quando o Bruno se deita primeiro que eu e reparo que se esquece, faço questão de o lembrar quando já está deitado! lol  E ele lá se levanta a resmungar. Ontem, por momentos, pensei que estava a falar com o meu irmão de 11 anos:

- Bruno!
- Hum?
- Lavaste os dentes?
- Lavei!
- A sério? Nem me apercebi!
- Oh oh, tás a brincar? Então não lavei ainda há bocado?
(apalpo a escova de dentes dele que está seca)
- Mas a tua escova está seca!
- Ah... Porque... lavei com a tua!

Ahahah, tenho um bebé em casa! :)

15 de fevereiro de 2011

Black Swan


Fomos ver. Detestei.

Consigo perceber porque é que é um filme tão nomeado. É uma boa história e um filme poderoso, mesmo. E a Natalie Portman faz um papel que eu sei lá (quem me ler, até pensa que eu percebo imenso disto). Simplesmente, não é o género de filme que mais aprecie e percebi isso no momento em que o Bruno me mostrou o trailer há uns dias. Demasiado pesado, alucinado, deprimente e com muitas cenas perturbantes. A certa altura, eu já só queria que o filme acabasse.

Ser do contra.

Todos os anos, no dia dos namorados, é a mesma conversa. Às vezes até chateia. Eu não sou fundamentalista (gosto de fazer algo diferente, só porque sim, mas se não o fizer não me incomodo), mas acho feio as pessoas que são do contra só porque têm que ser diferentes da maioria. Que até gostam, mas como já há muitos a gostar, preferem dizer que não, para ser mais giro. Quem fala do dia dos namorados fala de 1001 outras coisas. Pessoas que só gostam do que quase ninguém conhece, porque assim é mais in e são mais intelectuais. Pessoas que fogem dos clichés como o diabo da cruz. Eu gosto de clichés! Adoro! Se calhar sou eu que sou diferente! lol
Quanto a nós, aproveitamos todas as datas e mais algumas para fazer algo especial. Qualquer pretexto serve. Assinalamos estas datas, como assinalamos o dia em que nos conhecemos, o início do namoro... e muitas outras mariquices. Sem consumismos (eu ofereci um postal e ele um "lucky bamboo") e sem extravagâncias. Simplesmente um bom tempo, passado a dois. Não sentimos que damos demasiada importância a um dia porque sabemos que, na verdade, aproveitamos todos os bocadinhos que temos a dois e a três. Ou será que por se ir jantar fora (ou fazer outra coisa qualquer) no dia dos namorados significa que não se faz isso também noutros dias? Então porque é que se festejam os aniversários? Mas que cliché!  Não devíamos também celebrar a vida todos os dias do ano? Já não há pachorra.

13 de fevereiro de 2011

Dos rótulos.

Não sei se já provaram os novos iogurtes Gregos da Danone. Bom, quem já provou sabe que são absolutamente deliciosos. É que são mesmo bons, pá. Acabei de comer um e a minha vontade é comer outro. No entanto, devo avisar os mais distraídos que cada boiãozinho daqueles, com o seu ar inocente... tem quase 200kcal. Quando vi o rótulo ontem nem quis acreditar. Duzentas, pessoas. São 5 iogurtes naturais magros. E é quase compreensível no que tem compota e pedaços de morango, mas podiam ao menos ter inventado um natural NÃO açucarado, só que não tiveram esse cuidado. É por isso que é tão importante darmos sempre uma vista de olhos aos rótulos do que compramos, só naquela de sabermos o que estamos a deitar cá para dentro :)

11 de fevereiro de 2011

Garrafeira

Achei-a tão gira e invulgar que até fiquei com pena de não bebermos um copinho de vinho de vez em quando, só para fazer sentido termos uma. Cá em casa é só mesmo águinha e já vamos cheios de sorte :)

10 de fevereiro de 2011

Repetir até ao infinito:

Tardes.



Agora faz constantemente esta cara de espanto, acompanhada por um "aaahhhh" baixinho, como quem fez uma asneira ou vê alguma coisa espectacular :)


"Come a folhinha papá!"

"Aaahhhh"

Chuva de folhinhas!

Hmmmm :)


Se há coisa que nós amávamos em Samora, era o parque ribeirinho mesmo ao pé de nossa casa. Era assim uma delícia, a coisa que mais nos custou deixar para trás. Este ano, já lá fomos duas vezes matar saudades, mas sentíamos falta de um lugar assim, mais perto de nossa casa. Ontem fomos até Alenquer passear um bocadinho num dos parques. Não tem a magia de Samora, mas também é bonito e soube bem apanhar o solinho de fim de tarde. Como seria de esperar, tivemos que arranjar uma árvore mimosa, para fazer o lugar do nosso querido salgueiro particular. Não desfazendo, acho que esta nos encheu as medidas. À vinda embora nem quis acreditar quando vi montes enormes de ramos de alecrim (percebo tanto disto que pensei que era lavanda, lol) ali abandonados à espera de serem levados para o lixo (tinham andado a podar os arbustos). Claro que apanhei alguns raminhos cheirosos que já ali estão na nossa entrada. Na próxima tarde livre com o papá cá de casa, voltamos.

9 de fevereiro de 2011

Inverno


Botas, vestidos e casacos compridos ♥

8 de fevereiro de 2011

Nao queremos cá misturas.


Ao menos assim nunca ficamos a pensar que outras partes do corpo (nosso ou não!) já foram limpas à parte da toalha onde estamos a limpar a nossa carinha... lol.

Palminhas

Fotografia patrocinada pela tia Diana!
Não se cansa de bater palminhas e de fazer a pitinha põe o ovo. Tão docinha e contente que só dá vontade de a apertar a toda a hora. São as gargalhadas dela quando brincamos e momentos como este, que fazem valer a pena cada dia menos bom desta vida e os quase 11 meses de noites em branco :)

3 de fevereiro de 2011

Olhó lençoliiii arrumadinho!

Há ideias que são tão simples e tão óbvias que não conseguimos perceber como é que não nos lembrámos disso antes. Esta é uma delas! Guardar os lençóis dobradinhos dentro de uma das fronhas e mantê-los assim, organizados!

2 de fevereiro de 2011

Está cientificamente comprovado:

Não há fome que não dê em fartura.

E depois, as pessoas têm que escolher. E escolher é chato. Porque às vezes as coisas dão para o torto e ficamos a remoer as nossas decisões porque "eu devia era ter escolhido x em vez de y". É a vidinha.

Queridos alunos:

Lamento ser portadora de más notícias, mas -0ºC não existe. Zero é zero. Não tem sinal de menos, nem de mais. É assim a modos que... zero. Ok? Era só para vos avisar.