17 de dezembro de 2012

Tempo.

Deitada na cama da minha filha, com ela enroscadinha em mim, relembro que já passaram 2 anos e 9 meses. Tanto tempo, mas ela continua a ser a minha bebé. Braços e pernas pequeninas, mãos e pés ainda rechonchudos. Já diz tudo e conversa como gente crescida, mas grande parte das palavras ainda têm a deliciosa pronúncia de bebé. Os dias vêm uns atrás dos outros e não esperam por ninguém. Daqui por uns anos vou querê-la ao pé de mim, vou querer desenhar e pintar com ela e talvez ela me mande dar uma curva e se enfie no quarto no meio das suas coisas. Hoje ainda chama pela mamã, quando acorda de um sonho mau, ainda vem ao pé de mim e diz "anda pá xala bincar comigo". Enroscadinha na cama dela, a contemplar este corpo pequenino, só gostava de conseguir que o tempo parasse, de conseguir agarrar esta sensação nas minhas mãos e guardá-la num frasquinho bem fechado, para poder voltar a ela a qualquer momento, para o resto da minha vida.

4 feelings:

Dulce disse...

Amei.



Jo disse...

:)



R. disse...

Tão bonito... este texto. Tão mãe em tudo o que diz :)



..carlix.. disse...

Não existem palavras para expressar o que sentimos quando vemos os nossos pequeninos assim, tão entregues a nós, em paz... <3 <3



Enviar um comentário