15 de dezembro de 2010

Vizinhança.

Moramos no 3º de um prédio com 12 andares. Vivem cá portugueses, na sua maioria, e há 3 ou 4 apartamentos que estão alugados. Acontece que a nossa varanda da sala dá para o terraço das traseiras do vizinho do 2º andar, que por sua vez da para o terraço (ainda maior) do vizinho do 1º. Como o vizinho do 2º cobriu o terraço dele, logo abaixo da nossa varanda temos um telhado de chapa. Eu, que toda a vida vivi em apartamentos, tenho um enorme respeito pelos vizinhos, sobretudo no que toca a mandar coisas lá para os pisos de baixo, seja sacudir toalhas ou tapetes, seja beatas dos cigarros, por exemplo. Os nossos amigos que fumam sabem que o fazem na varanda mas que as beatas são para pôr no caixote do lixo. Mas há pessoas que não têm noção!!!! Acho que, não sei, só sabem viver na badalhoquice... Desde que começamos as obras cá em casa, que eu tinha reparado que o telhado estava cheio de cotonetes usadas. Tudo mais ou menos bem, até entrar na varanda para ir estender roupa e dar com uma cotonete no chão, toda nojenta. Ai. Fiquei logo possuída, com vontade de ir tocar às campaínhas todas, a perguntar pelo/a porcalhão/ona que não tinha caixote do lixo em casa. Aguentei e escrevi um recado que coloquei no placar da entrada do prédio a pedir cordialmente que colocassem as cotonetes usadas no lixo e não as mandassem pela janela fora (bom, na verdade primeiro escrevi um menos cordial, assim mais pró insultuoso, mas depois reformulei). Passou.


Há dias fui à varanda e agora o telhado está cheio de... adivinhem... lenços de papel sujos!!! Fiquei super-irritada, mas aguentei, até ontem. Não é que agora há lenços dentro da minha varanda?? Não sei o que fazer, só me apetece apanhá-los todos e ir pô-los à porta do vizinho que suponho que seja. Alguma sugestão? Como lidavam vocês com uma situação destas? Outro recado no placar? Para fazerem ainda pior? Reunião do condomínio? Se é quem eu penso que seja, a casa é alugada e o dono nem cá põe os pés...

Enfim.

8 feelings:

christina disse...

Eu pegava neles, mais os meus todos ranhosos, e deixava-os à porta da casa dele. Hmph.



..carlix.. disse...

Eu sofro com a vizinha de cima que tem um cão que voltimeia ladra de noite, ela faz barulho durante a noite, parece que não dorme (toma banho, lava a casa, ralha com o cão, etc) e lava a roupa à mão, ou seja, coincidentemente, estende a roupa quando a minha já está SECA! Fico possuída e desato a falar como se fosse para terceiros, na janela, para ela ouvir. Enfim, não tenho coragem de lá ir a cima dar-lhe um valente sermão. Apenas sinto pena da mulher, por aquilo que já me contaram dela... e sou r/c, ou seja, a porta do prédio nunca mais tem uma mola nova, a porta bate com tanta violência que até estremece! Já escrevi uma carta ao condomínio e já pus um papel como o teu na porta do prédio! Conclusão: existe uma coisa chamada "condomínio" que deve ser-vos útil para alguma coisa. Ou descobrem o dia da reunião aparecem e fazem o reparo, ou fazem queixa ao senhorio (se este for assíduo às reuniões!). Isto porque nós não somos pessoas mal-criadas para irmos dizer umas coisas feias às pessoas em questão... é complicado...



Grey´s disse...

É complicado! Quanto mais nós pedimos civismo, pior as pessoas fazem! Já vivo nesta casa há uns 17 anos e sempre foi horrível com as vizinhas de cima, sao 2 pais, mais 3 filhas ( que agora já sao bem crescidas ) e mais um cão. As miúdas qd eram pequenas corriam com as botas calçadas o dia todo pela casa, salvo qd iam para a escola, agora cresceram, arranjaram um cão se bem que o animal é o que menos se ouve, gritam umas com as outras, vão para a cama tardissímo, os pais não se impõem, qd esteve a chover recentemente não podemos ter roupa estendida porque elas mandam a água para baixo, já me queimaram uma camisa com uma beata, qd o cão era pequeno punham-no na varanda e depois lavavam aquilo ao balde, escorria a água para a minha varanda com a porcaria toda, a minha mãe foi lá a casa varias vezes pedir que tivessem cuidado e como ela se levanta muito cedo ia lá para não fazerem tanto barulho, tudo na base do civismo, mas ainda era pior nos dias a seguir. Tenho mais 14 vizinhos e são todos impecáveis e bem educados, aquelas é que enfim mas logo por azar vivem mesmo por cima.
Por isso se queres que te diga não sei se isso vai a bem, porque dá ideia que mandaram os lenços para te provocarem, nestes casos se calhar o melhor é expor a situação ao condomínio ou falar com o senhorio, quando as casas são alugadas as pessoas ainda tem menos cuidado porque " não é delas ", não sabem o que é viver em comunidade e educação :S

beijinho e muita paciência!

ps1 - nada 1980, todas as máquinas que nos possam simplificar o dia a dia são bem vindas. Hei-de experimentar sim!

ps2 - olha a jarra pintei com tinta "esmalte metais", dei umas 2, 3 demãos, depois para fazer as bolas, sabes aquelas argolas que se colocam quando os furos das folhas rasgavam, pus nos sitios onde queria, pintava e nem deixava secar muito retirava logo as argolas, para depois a tinta nao vir atrás. Entre demaos deixava uns dias a secar.
O quadro de cortiça dá para fazer coisas muito giras, pode até nem compensar mas fica original e ao teu gosto. Bons trabalhos ;)



Grey´s disse...

Esqueci-me de te contar no comentário, vivi aqueles outros 2 anos, num prédio super pequeno, éramos 3 de um lado 3 do outro e eu estava no R/C com terraço, nunca lá caiu nada, nem estendiam a roupa fora das grades. Se calhar o segredo é viver em prédios com pouca gente, talvez tenham mais vergonha porque descobre-se logo quem foi .. A tua próxima casa já sabes :))



..carlix.. disse...

Prédios enormes dão sempre confusão! E achamos que temos sempre o azar de nos calhar os vizinhos mais barraquentos e conflituosos ao lado ou em cima. E sim, concordo, prédios pequenos são melhores (o meu antigo tinha 19 andares, o meu actual 2+r/c). Se não for a bem, com as "autoridades" sugeridas, pega nos lenços e coloca na caixa de correio de quem achas que é. :P



Ana Rute Oliveira Cavaco disse...

eu moro num prédio com 8 andares, 3 apartamentos por piso e é bastante asseado, sem problemas. há quem fume à janela e me caiam cinzas no parapeito, mas de resto não tenho mesmo de que me queixar.
eu se tivesse certeza de quem era, ia falar directamente, com paciência e sem insultos, apelando mesmo ao coração da pessoa. acho que amaciava a questão.



Raquel Úria disse...

Eu ponho um "like" na sugestão da Rute. Apelar ao coração pode resultar.

Ou então pede um toldo como presente de Natal. Ou calmantes. Ou ambos. Os meus vizinhos são adoráveis e não mora ninguém no 1º esquerdo, querem mudar para cá? ;)



Débora disse...

Foi o que fiz, na sexta passada. Calcei umas luvas, desci ao telhado e apanhei o lixo todo. Depois fui porta a porta, com carinha de gato-das-botas-do-shrek falar com todos os vizinhos acima do meu andar, mas quem suponho que seja não estava em casa. Hei-de tentar outra vez.

Raquel, nos próximos 50 anos, no mínimo, ninguém me tira daqui. Chega de mudanças e pinturas e casas num caos. Já tive a minha dose ;)



Enviar um comentário