25 de outubro de 2012

Do parto (que está para vir).

Completo hoje as 25 semanas e ultimamente dou comigo a pensar cada vez mais no nascimento do bebé que trago cá dentro. Nesta segunda gravidez, olho para tudo de maneira diferente. Penso um bocadinho menos no facto de estar grávida e, por isso mesmo, o tempo passa (ainda) mais depressa. Mas acho que penso mais no parto. Vou com a vantagem de saber o que me espera. Mas lá está - já sei o que me espera. E isso não é necessariamente reconfortante :) Apesar de o meu primeiro parto ter durado 5 horinhas, são momentos só nossos, momentos em que o nosso corpo assume o controlo, dores que ninguém sente por nós e que, felizmente, a nossa mente tem a habilidade de apagar da nossa memória! Caso contrário ninguém repetia a dose de livre vontade ;)
Relembro o parto da Matilde e imagino que gostava que desta vez "a coisa" se processasse de forma mais espontânea. Apesar de nunca me ter arrependido de ter avançado para o parto induzido assim que completei as 41 semanas (por mim até tinha sido antes, tal era o meu cansaço e a minha ansiedade), há coisas que não vivi e que gostava que fizessem parte desta experiência única que é trazer um filho ao mundo. Coisas pequenas, talvez até parvas, mas que eu gostava de conhecer. O "rebentar" das águas, por exemplo, não sei o que é, porque foram as enfermeiras que o fizeram. Sei que é uma coisa sem importância e que na maioria das vezes as águas não rebentam antes, mas mesmo assim! Também não sei o que é começar com contracções de um momento para o outro, sem estar à espera. Por muitas tentativas que tenha feito para provocar o parto da Matilde de forma natural... a primeira contracção que senti na vida foi depois da indução. Não sei o que é ter o Bruno ao meu lado durante este início do trabalho de parto, porque no parto da Matilde ele foi mandado para casa enquanto aguardávamos e foi tudo tão rápido que quando chegou já eu estava com a dilatação quase feita, a implorar pela epidural. E convenhamos que, qualquer grávida que se preze, quando pensa no parto se imagina a correr para o hospital, a arfar dentro do carro, com o marido ao lado a buzinar para que abram caminho, ou sou só eu?? :)
Por estes dias li este artigo da Pais & Filhos e gostei muito. Apesar de ter tido uma primeira experiência, a meu ver, muito boa e de ter sentido tudinho (mesmo com epidural sabia exactamente quando tinha que fazer força, ao contrário de alguns destes relatos), tenho ponderado se realmente terá sido um procedimento necessário. Afinal de contas, veio tarde e a más horas, já eu estava quase em ponto rebuçado... mas também é verdade que quando ela finalmente chegou eu já jurava a mim mesma que não resistiria a nem mais uma contracção e que não seria capaz de ir até ao fim. Fiquei com a pulga atrás da orelha. Há uma pequena parte do meu (nosso) parto, que eu saltei. Que não sei como é. Será que não seria mesmo capaz? Ou será que estava mesmo quase e eu desisti? Logo descubro como canto quando chegar a hora de o Gonçalo vir cá para fora. Mas estou certa de que desta vez vejo as coisas de forma um bocadinho diferente...  e me sinto capaz de um pouco mais.

7 feelings:

R. disse...

Tão bonito, este post :)



Selma Tabita disse...

Força minha riqueza! ;) Beijinhos**



♥ Pintas e Sarapintas ♥ disse...

Eu tive parto normal e para ser sincera assustava-me um pouco a ideia de ter um parto induzido. Mas não foi como disse. Eram umas dores muito ligeirinhas quando acordei e ao fim da tarde lá fui para a maternidade e foi lá que me rebentaram as águas entretanto.

Entretanto encontrei este vlog que achei engraçado e resolvi partilhar. http://www.youtube.com/user/TheCurrentFamily?feature=watch

Espero que tenha uma gravidez calminha e um parto fácil.

Felicidades para todos!



Andreia disse...

Vai correr tudo bem, de certeza! E, segundo dizem, os partos nunca são iguais pelo que podes sempre viver algum dos teus desejos!
As minhas águas rebentaram em casa (sem qualquer tipo de dor) e a Carolina só nasceu 19 horas depois. As coisas são o que têm de ser e o que interessa é que esse Gonçalo venha de perfeita saúde! ;)
E o meu parto que está aí à porta??? Ando ansiosa, confesso.

Beijinhos!



inesn disse...

Eu tive um primeiro parto induzido e um segundo natural...tão diferentes um do outro como o Diogo e a Sara o são agora :)



..carlix.. disse...

Só sei que no dia parecemos umas pata-chocas a fazer coisas estranhas. Eu passei a ferro durante horas, depois mais umas compras demoradas no jumbo e já me sentia a desfazer... ao chegar a casa, deitei-no sofá e os meus ossos deram um estalo que fez eco na sala... senti logo as águas e comecei a sentir contracções uns minutos depois. Não sei ao certo se vou abdicar da epidural mas depois de um aborto demorado e muito doloroso igual a um parto, se a "coisa" for realmente do género, apesar de muito difícil aguenta-se. :) Eu não acho que devas pensar no parto porque não sabes onde estarás nem em que circunstâncias. Mas sim, fazes bem em reflectir sobre isso. Tu demoraste 5, eu 9. Conheço quem tenha estado 24. O cliché aplica-se: seja como for, que venha saudável e que corra tudo bem. <3



Dina disse...

Eu percebo perfeitamente. Acho que só conseguimos encarar o parto de uma forma mais natural depois do nascimento do primeiro filho. Por um lado lamento não ter tido um "parto normal". Mas o que importa é que correu tudo bem...



Enviar um comentário